O estado da Nação

Durante todo o mês de Abril de 2015 os cabo-verdianos assistiram, em transe, o país à mercê de um punhado de jovens.
Se os jovens do MAC-114 tivessem maior traquejo político ou, no mínimo, uma estrutura clara de liderança, uma revolução de consequências inimagináveis teria mesmo acontecido. Infelizmente (ou será felizmente?), assim que o foco da imprensa e da opinião pública começou a incidir mais sobre um deles, os outros imediatamente disseram que a liderança era colegial e que eram todos primus inter pares. Ficou assim selada a sorte do MAC-114. Continuar a ler “O estado da Nação”

Djeu: As razões da Petição

Como é já público, tomámos a iniciativa de pedir a todos os cidadãos caboverdeanos, com especial realce para os praienses, que subscrevam entre 27 de Outubro e 31 de Dezembro de 2015, uma Petição a ser entregue na Procuradoria Geral da República e na Assembleia Nacional buscando a suspensão da Convenção de Estabelecimento para o Projecto Turístico Integrado do Ilhéu de Santa Maria/Gamboa, assinado em Macau entre a Câmara Municipal da Praia e a Macau Legend Development Ltd. no passado dia 22 de Julho de 2015, pelas seguintes razões: Continuar a ler “Djeu: As razões da Petição”

História da Gestão das ZDTIs – Parte 2

PROGRAMA “QUARTA-À-NOITE“, do Jornalista Moisés Évora – RCV

Emitido a 4 de Outubro de 2006

Relembro aqui o primeiro de uma prometida e infelizmente, esquecida série de programas sobre a maneira como a Cabo Verde Investimentos (CI) era gerida e funcionava em 2006. Hoje, nove anos depois, constata-se que os investimentos pomposos anunciados nessa altura efectivamente se confirmaram como flops e embustes extremamente danosos dos interesses do povo caboverdeano. E AGORA? Continuar a ler “História da Gestão das ZDTIs – Parte 2”

A “solução” de Ulisses (1)

CMPEm Abril de 2010 mandei publicar num dos jornais da praça, a última comunicação da Ordem dos Arquitectos Caboverdeanos (OAC), enquanto seu Presidente. Intitulei-o “Praia tem solução” e nele já expressava a preocupação que me ia na alma relativamente ao rumoque a gestão do território do concelho já estava a seguir. Tal documento infelizmente não está no site da OAC mas disponibilizo-o na página de Downloads do meu blog (aqui) para todos os que o quiserem (re)ler. Continuar a ler “A “solução” de Ulisses (1)”

Mea Culpa (3)

Diogo GomesO Ministério do Ambiente, Habitação e Ordenamento do Território e a Câmara Municipal de S. Vicente encomendaram (de novo!) a feitura do PDM de S. Vicente, desta feita ao Bastonário da Ordem dos Arquitectos Caboverdeanos (OAC), sem concurso público. Continuar a ler “Mea Culpa (3)”

Mea Culpa (2)

Diogo GomesA Assembleia-geral extraordinária da Ordem dos Arquitectos Caboverdeanos (OAC) conseguida a ferros pelo Vice-presidente demissionário não terá corrido muito bem ao Bastonário, pois no rescaldo, um dos mais antigos e prestigiados membros da nossa Ordem (n.º 4 do Quadro da OAC) enviou a todos os arquitectos este e-mail, que fala por si: Continuar a ler “Mea Culpa (2)”